Translate

sábado, 12 de abril de 2014

Viagem: Santiago no Chile

Oi meninas!

Os sábados são destinados a falar um pouco sobre lugares que conheci... Hoje, vou falar um pouco da minha experiência de exatas 24 horas em Santiago, no Chile. Infelizmente, em minha última mudança, perdi o CD que estava com todas as fotos e vídeos da viagem, mas, tá valendo mesmo assim...

Numa correria de última hora, surgiu a oportunidade de ir à Santiago, quase que em um bate-volta. Rs. Como não tenho o costume de desperdiçar as oportunidades que a vida me oferece... Fui! E foi uma aventura e tanto!

Desembarquei em Santiago logo após aquele acontecimento que, destruiu com boa parte do local... Chocante ver metade do aeroporto destruído... Mas, tirando isso... Foi duca!  Como era madrugada, dormimos logo para acordar beeeeem cedo no dia seguinte e aproveitar ao máximo tudo o que pudesse. Conforme o previsto, acordamos bem cedo, tomamos café e compramos um ticket de um ônibus de turismo que parava em todos os pontos turísticos da cidade, tipo o que tem em Curitiba (inclusive, esta viagem foi beeeem parecida com a de Curitiba - bate-volta!).

O ônibus percorreu os seguintes pontos:

Museu de Arte Precolombino: O Museu de Arte Precolombino conserva as múmias chinchorro, povo de pescadores que viveu há mais de 7 mil anos no norte do Chile e sul do Peru. A coleção também tem esculturas Maias, tecidos andinos, chapéus, vasos e outras peças de arte pré-hispânica de todo o continente americano, inclusive de Astecas e Incas. Sem dúvida, é um passeio que enriquece culturalmente o visitante .

Palacio de La Moneda: O Palacio de La Moneda, uma das poucas sedes de governo no mundo abertas para visita. O presidente socialista Salvador Allende faleceu neste prédio em setembro de 1973.

Centro Cultural Palacio de La Moneda: Outro local ideal para se visitar é o  Centro Cultural do Palacio de La Moneda. Localizado no subsolo do palácio, o centro   abriga mostras de arte e cinema interessantes.

Museo de Bellas Artes: O Museo de Bellas Artes, um dos edifícios mais bonitos de Santiago, de estilo neoclássico com detalhes em art noveau. Em seu interior encontram-se 5.600 pinturas e esculturas de artistas europeus e chilenos. Você pode aproveitar   o café do museu enquanto descansa um pouco do passeio.

Plaza das Armas: Na Plaza das Armas, estão ótimas opções de cafés. Cercada de casarões coloniais, a praça encanta pela paisagem. À sombra das  palmeiras centenárias, encontram-se pintores, dançarinos de rua e velhinhos jogando xadrez .

Cerro Santa Lucía: O Cerro Santa Lucía oferece  uma  bela vista panorâmica com a Cordilheira dos Andes ao fundo. A subida de 20 minutos é agradável para apreciar os murais, estátuas e até de uma fonte inspirada na romana Fontana di Trevi. Além da vista geral da cidade, uma vez na pequena praça do cume, é possível ver Santiago de perto com a ajuda dos binóculos fixos do mirante (basta inserir uma moeda).

Cerro San Cristóbal: Outro lugar que você não pode deixar de visitar é o  Cerro San Cristóbal; uma montanha de 880 metros que os santiaguinos gostam de subir de bicicleta aos domingos. Também é possível subir ao cerro pelos funiculares, que é um carro de cabos que circula sobre  trilhos.
No cume  do cerro está a estátua da Virgem de “La Inmaculada Concepción”, com 14 metros de altura sobre um pedestal de 8,5 metros. Abaixo da virgem, é comum as pessoas  sentarem nas largas e altas escadas para contemplar o panorama de Santiago.
Jardim Botânico Mapumelu: Ao pé do cerro San Cristóbal também encontram-se várias atrações interessantes: o teleférico, piscinas públicas, um jardim japonês,  um zoológico e  o Jardim Botânico Mapumelu, com cerca de 80 espécies nativas, como araucárias e a palmeira chilena, que lembra um abacaxi gigante. Aos domingos ocorrem sessões gratuitas de pilates.

Parque de las Esculturas: O Parque de las Esculturas ocupa uma área de 21 mil metros quadrados onde estão espalhadas  30 esculturas de diferentes tamanhos, formas e materiais, assinadas por artistas como Marta Colvin, Claudio Girola, Federico Assle, Juan Egenau, entre outros.

Museo La Chascona: Chegou a hora da principal atração da cidade, a Casa Museo La Chascona, uma das três casas chilenas do poeta Pablo Neruda. A Calle Constituición onde está situada a casa Museo tem os bares e restaurantes mais badalados da capital. A pesar de ter medo d’água e de ter aprendido a nadar apenas com 48 anos, Neruda era apaixonado pelo mar. A casa foi construída para simular a sensação de se estar em um barco. O teto baixo, os objetos (muitos, de colecionador compulsivo), o revestimento de madeira e a iluminação ajudam a criar a ilusão . No interior de “la chascona” se pode ver os bares resgatados de antigos barcos franceses, diversas coleções do escritor e muitos presentes de grandes artistas, como o mexicano Diego Rivera .

Apesar de super rápida, foi uma viagem que ficará gravada em minha memória para o resto da vida. Espero um dia voltar ao Chile com mais tempo para aproveitar o infinito leque de opções turísticas que o lugar proporciona.

Ainda conseguimos ir até um centro repleto de Outlet para fazer comprinhas... Até porque, ninguém é de ferro, né?! Rs.

Até a próxima aventura!

Beijokas =)

Nenhum comentário:

Postar um comentário